A pipa e a liberdade

Certo pai tinha um filho único que amava muito. Vira seu filho crescer. Sempre fora um pai protetor (talvez até mais que os pais comuns); mas agora na pré-adolescência, seu filho sempre reclamava muito de falta de liberdade.
– Por que tem que me acompanhar até a escola? Por que tenho que pedir permissão para brincar com meus amigos? – o menino sempre questionava.
Um belo dia seu pai trouxe lhe um lindo embrulho com os dizeres “CUIDADO FRÁGIL” em letras colossais. Era uma pipa belíssima, com papel ceda com cores vibrantes e de altíssima qualidade. Acompanhando a pipa veio um carretel gigantesco que até tinha uma espécie de manivela.
Mal acabou de desembrulhar cuidadosamente o presente, o menino gritou: – Paiê, posso brincar com meus amigos?
– Não! – respondeu o pai – Esta pipa eu comprei para nós dois brincarmos. Amanhã é feriado e irei ao sítio com você. Lá não tem os fios de alta-tensão tão perigosos.
O menino quase não dormiu à noite pensando em como o outro dia seria especial. Na manhã seguinte, ao primeiro clarão do sol partiram.
Depois de prosear um pouco com amigos, seu pai chamou o menino: – Vem cá, meu filho. Pronto para estrear a pipa?
– Sim, papai. Estou pronto.
E começaram a descarregar a linha. O vento estava fortíssimo. Logo a pipa estava muito distante parecendo um pequeno ponto negro no céu. A pipa balançava de um lado para outro, como que pedindo para voar mais alto.
Quando o filho cansou de brincar, o pai ficou controlando a pipa no ar. Mas para surpresa do rapaz, o pai retirou um canivete afiadíssimo do bolso e desferiu contra a linha. Não demorou muito e o menino, aos prantos, viu a belíssima pipa rodopiar até cair e se rasgar todinha na copa das árvores da floresta.
– Por que você fez isso pai? A pipa não era minha?
Então o pai olha dentro dos olhos do filho e fala: – A pipa representa você que embalado pelas opiniões dos amigos quer voar sozinho. Acha que já cresceu. Você só estará no alto enquanto a linha existir, ou seja, ouvir aos meus conselhos e aos ensinamentos de Deus.