A tragédia do ano

O filme de terror
Um grupo de universitários se reúnem para se divertir um pouco por uma noite em uma boate da cidade. De repente aquele recinto possui bem mais pessoas do que deveria comportar. O som toca alto. O coração dos jovens acompanham o ritmo. A adrenalina está em seu clímax. Enfim, aquela deveria ser uma noitada como qualquer outra... De repente um dos integrantes da banda que agitava a galera, lança um sinalizador, transformando a festa em um pesadelo. Um incêndio rápido se inicia. Em poucos segundos, a espuma sintética de poliurateno usada no isolamento acústico da boate libera altas doses de cianeto, o mesmo gás usado nas câmaras nazistas, e monóxido de carbono. Centenas morrem asfixiadas. Outras correm, mas caem a poucos metros intoxicadas pelo cianeto. Os que saem ilesos, guardarão consigo péssimas lembranças  daquela noite.  Isso não é um resumo de um filme, trata-se de uma tragédia que aconteceu na boate Kiss em Santa Maria(RS), deixando 231 mortos quase que instantaneamente. Leia: Santa Maria: corrida para salvar vítimas do cianeto.

O que esta tragédia nos deixa como lição?


Em primeiro lugar nosso respeito às famílias, às centenas de mães que sofrem a dor da perca de um filho, o pai que acreditou... Mas podemos extrair preciosas lições aqui. O jovem atual - não só jovens - tem buscado satisfazer seu prazer a qualquer preço sem se importar as consequências, e isso inclui noitadas em boates, bebidas, sexo, qualquer coisa que dê prazer. O hedonismo tem tomado conta de muitas vidas: "O que vale é me satisfazer agora, pra que se preocupar com o amanhã?".
O engraçado é que para buscar a presença de Deus, são poucos os que ficam até estas horas. "Alegra-te, jovem, na tua mocidade, e recreie-se o teu coração nos dias da tua mocidade, e anda pelos caminhos do teu coração, e pela vista dos teus olhos; sabe, porém, que por todas estas coisas te trará Deus a juízo."  (Eclesiastes 11 : 9)